Nossa História

O VALE DO RIBEIRA

O Vale do Ribeira, assim chamado por causa de sua localização ao longo do Rio Ribeira do Iguape, é a região mais pobre do Estado de São Paulo, olhando do ponto de vista econômico. Com exceção de algumas cidades com melhores condições financeiras, o Vale apresenta uma das menores taxas per capita (por cabeça) do Estado. O lugar todo já foi grande produtor de banana, cuja produção era exportada quase que na sua totalidade. Os trens da Fepasa iam e vinham diariamente, lotados com esta produção, e não faltava serviço para os moradores da região. 

Hoje, a produção está limitada a alguns poucos fazendeiros e pequenos sitiantes, que ainda persistem na plantação desse produto, porém as pragas têm feito com que haja grande desestímulo para esta atividade.

Como fonte de renda alternativa, os moradores do Vale estão investindo na piscicultura, aproveitando a existência de água o suficiente para abastecer seus açudes. Com isto, tem surgido na região criadores de diversas qualidades de peixes nobres, que são utilizados para o consumo alimentar bem como à prática da pesca esportiva e de lazer.

Recentemente descobriu-se a possibilidade de investir no turismo ecológico, por ser o Vale uma região cheia de trilhas naturais, cachoeiras, rios e pontos interessantes a esse tipo de atividade.

A IGREJA

Do ponto de vista eclesiástico, a região do Vale do Ribeira, que vai desde Miracatu, passando por todas as cidades à beira da BR 116 indo até Cananéia, no Litoral Sul, incluindo Iguape e Ilha Comprida, tem se destacado como sendo muito promissora para a prática da evangelização devido ao grande número de pessoas que reside aqui, embora o número destes já se tenha diminuído consideravelmente em face do êxodo rural. Em todas as cidades citadas acima existe pelo menos um ponto de pregação (ou congregação) da Igreja Presbiteriana do Brasil.

PEQUENA HISTÓRIA DA IGREJA NO VALE

O evangelho chegou na região do Vale do Ribeira por volta do ano de 1890 com a vinda de Willes Roberto Banks, hoje conhecido carinhosamente por “Velho Banks”, que construiu na localidade chamada Morrinho, distante 12 km da cidade de Juquiá, o 1º templo evangélico do litoral sul, em 1898.

Essa construção permanece de pé até hoje, como um marco histórico, utilizado pela IPB de Juquiá, proprietária da área, que há 65 anos vem realizando o já famoso “Instituto Bíblico de Morrinho” todos os anos, sempre no mês de julho, para onde acorrem várias centenas de pessoas no afã de serem edificadas pela Palavra de Deus e desfrutarem da beleza do lugar.

O citado templo funcionou por muitos anos como congregação da IP Unida, jurisdicionada ao Presbitério de São Paulo. Em 1900, construiu-se o templo na cidade de Juquiá às margens do rio que leva o mesmo nome.

Alguns anos mais tarde, já organizada em igreja, Juquiá veio a ser a mãe de todas as outras igrejas do Vale do Ribeira.